ASOCIACIÓN LATINA PARA EL ANÁLISIS DE LOS SISTEMAS DE SALUD

CALASS 2022

XXXII Congresso Anual da ALASS – CALASS 2022

Barcelona (Catalunha, Espanha)

Congresso apenas no modo presencial

Hospital Universitário de Bellvitge
1, 2 e 3 de setembro de 2022

ALASS (Latin Association for Health Systems Analysis), fundada em 1989 em Lugano, é uma associação profissional e científica que reúne profissionais que trabalham no setor da saúde, assim como pesquisadores e professores que têm um interesse comum em contribuir para a busca de soluções para os muitos desafios enfrentados pelos sistemas de saúde nos países latinos.

A ALASS assume que existe um denominador comum na cultura latina. Isto se manifesta, entre outras coisas, na forma como a qualidade de vida é percebida, nos comportamentos de promoção da saúde e no uso dos serviços de saúde, sem esquecer as particularidades nacionais ou locais. Estas características comuns facilitam uma compreensão transversal dos problemas em cada país. ALASS favorece uma abordagem multidisciplinar ao encorajar uma visão sistêmica que facilita sua solução.

Em que acreditamos? Na pluralidade de culturas. No uso de todos os idiomas latinos. Na integração de disciplinas e metodologias. Em tolerância e abertura. Na não submissão a qualquer sistema político, moral ou econômico. No trabalho em equipe e no desejo de trocar experiências através das fronteiras. Nas relações sociais entre os membros da associação, que criam laços duradouros de amizade que vão além das relações profissionais.

Tema principal

A experiência do paciente: um novo paradigma para a saúde pública e os cuidados de saúde

O tema principal da XXXII edição do congresso anual da Associação Latina de Análise de Sistemas de Saúde (CALASS) será: «A experiência do paciente: um novo paradigma para a saúde pública e os cuidados de saúde».

O congresso também acolherá discursos e debates relacionados a outros tópicos de interesse tradicional da ALASS.

Na medida em que torna o paciente um ator em sua própria saúde, a consideração da experiência do paciente representa uma mudança paradigmática para os sistemas de saúde, que não devem mais funcionar simplesmente para os pacientes, mas com eles (Wolf J. , Niederhauser, Marshburn, & LaVela, 2014). Esta mudança implica não apenas repensar as práticas profissionais para incluir os pacientes, mas também abrir a gestão das organizações de saúde e a tomada de decisões sobre políticas públicas à participação dos pacientes. (Delbrassine, Dia, & Escarrabill, 2020). Estas questões representam uma nova fronteira para a análise dos sistemas de saúde em vários países de língua latina (Raymackers, Kouevi, Marquês, & Payet, 2019).

Entendido como «a soma de todas as interações moldadas por uma cultura organizacional que influenciam a percepção dos pacientes ao longo de sua jornada» ( (Wolf J. A., Niederhauser, Marshburn, & e LaVela, 2021)), a experiência do paciente engloba pelo menos seis áreas principais de pesquisa:

  • A integração da experiência do paciente nas políticas de saúde pública;
  • A contribuição da experiência do paciente para a melhoria dos produtos e tecnologias de saúde (por exemplo, através de avaliação clínica e médico-econômica, educação terapêutica ou estudos da vida real) e, de modo mais geral, para a qualidade do atendimento (Baker, 2014; Doyle, Lennox, & Bell, 2013);
  • A transformação das práticas profissionais necessárias para poder trabalhar em colaboração entre profissionais, pacientes, parentes e parceiros de cuidados;
  • As formas pelas quais as organizações de saúde conseguem levar em conta a experiência do paciente;
  • A constituição de ecossistemas saudáveis e sociais destinados a assegurar a continuidade dos caminhos da vida;
  • Instrumentos para medir a percepção do paciente.

Além disso, a experiência do paciente faz parte de um conjunto de abordagens que, nas ciências sociais desde os anos 90, visam promover a participação dos usuários ou beneficiários na definição de políticas e sistemas que lhes dizem respeito. Em nosso campo, a capacitação do público em geral, e dos pacientes em particular, levou ao desenvolvimento de decisões compartilhadas, co-produção de cuidados, parcerias de saúde e, mais amplamente, diversas formas de “democracia sanitária” nos países industrializados (Abidli, Piette, & Casini, 2015; Pomey, et al., 2015). Os trabalhos sobre estes tópicos, especialmente quando vêm de pacientes ou de seus representantes, são particularmente encorajados.

Finalmente, pode ser interessante considerar se a pandemia Covid-19 teve ou não um impacto sobre o papel dos pacientes e/ou a inclusão de sua experiência.

Entretanto, estes tópicos de pesquisa não são exaustivos e pretendem ser enriquecidos por propostas para sessões temáticas.

Referências:

Abidli, Y., Piette, D., & Casini, A. (2015). Proposition d’une méthode conceptuelle d’accompagnement du patient partenaire de soins. Santé Publique, 1(41), 31-39.
Baker, G. R. (2014). Données de recherche à l’appui: Comment la participation du patient contribue à d e meilleurs soins. Ottawa: Fondation canadienne pour l’amélioration des services de santé.
Delbrassine, N., Dia, O., & Escarrabill, J. (2020). La perspective du patient dans le système de santé. Bruxelles: Shared Patient Experience (SPX).
Doyle, C., Lennox, L., & & Bell, D. (2013). A systematic review of evidence on the links between patient experience and clinical safety and effectiveness. BMJ open, 3(1), e001570.
Pomey, M., Flora, L., Karazivan, P., Dumez, V., Lebel, P., Vanier, M., . . . Jouet, E. (2015). Le « Montreal model » : enjeux du partenariat relationnel entre patients et professionnels de la santé. Santé Publique, 1(41), 41-50.
Raymackers, C., Kouevi, A., Marquis, J.-G., & Payet, L. (2019). L’expérience patient : Nouvelle clé de transformation des établissements ? Gestions hospitalières(582), 37-43.
Wolf, J. A., Niederhauser, V., Marshburn, D., & and LaVela, S. L. (2021). Reexamining “Defining Patient Experience”: The human experience in healthcare. Patient Experience Journal, 8(1), 16-29.
Wolf, J., Niederhauser, V., Marshburn, D., & LaVela, S. (2014). Defining patient experience. Patient Experience Journal, 1(1), 7-19.

Outros tópicos

Como no passado, o congresso também hospedará sessões, comunicações orais, cartazes e vídeos sobre outros temas de interesse da ALASS: saúde pública, epidemiologia, cuidado dos idosos, condições de acesso a serviços e equidade, direito à saúde e direito à saúde, redes integradas de cuidados, saúde mental, financiamento e reembolso de serviços de saúde, gestão de instituições de saúde e assistência social, tecnologias da informação e comunicação, gestão de risco para pacientes, planejamento e gestão de pessoal, regulamentação profissional, etc.

O Comitê Organizador da CALASS 2022 agrupará apresentações orais, pôsteres e vídeos para garantir que as sessões temáticas sejam coerentes.

A organização da CALASS 2022

A CALASS 2022 será realizada em Barcelona no Hospital Universitário de Bellvitge, de 1 a 3 de setembro de 2022.

Comitê Científico:

Ana Maria Malik, Carmen Tereanu, Carolina Tetelboin, Catherine Maurin, Edna Maria Goulart Joazeiro, Fernando Cupertino, Frédérique Quidu, Georges Borges da Silva, Magda Scherer, Marieta Iradier, Monica de Angelis, Philippe Anhorn.

Comitê Organizador local

Antares Consulting (Joan Barrubés e Olivier Baly), assim como o Hospital Universitário de Bellvitge, e com o apoio da Sociedade Catalã de Gestão Sanitária (SCGS).

Comitê ALASS:

Philippe Anhorn (Suíça), Olivier Baly (Espanha), Joan Barrubés (Espanha), Georges Borges da Silva (França), Roxane Borges da Silva (Canadá), Patricia Chico Aldama (México), Fernando Cupertino (Brasil), Monica De Angelis (Itália), Carlo De Pietro (Suíça) ; Presidente), Marie-Pierre Gagnon (Canadá), Edna Maria Goulart Joazeiro (Brasil), Marieta Iradier (Espanha), Noemi Javaux (Bélgica), Philippe Kohl (Bélgica), Lise Lamothe (Canadá), Ana Maria Malik (Brasil), Catherine Maurain (França), Frédérique Quidu (França), Magda Scherer (Brasil), Carmen Tereanu (Itália), Carolina Tetelboin Henrion (México), Véronique Zardet (França).

Membros institucionais da ALASS:

Aliança Nacional das Mutualidades Cristãs (ANMC). Bruxelas. Bélgica.
Associação de Economia. Administração e Psicologia em Medicina. Chisinau (Moldávia).
Centre Hospitalier Universitaire Sart Tilman Liège – Domaine Universitaire du Sart-Tilman (Bélgica).
Cliniques Universitaires Saint-Luc – Université Catholique de Louvain. Bruxelas (Bélgica).
Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília, Brasil.
CRISS. Centro Interdepartamental de Pesquisa sobre Integração Social e Saúde. Ancona, Itália.
Departamento de Saúde. Universidade Autônoma Metropolitana de Xochimilco. México, D.F. (México).
DEUSTO Escola de Negócios – Saúde. Bilbao (Espanha).
Escola de Saúde Pública, Universidade de Montreal, Canadá.
École des hautes études en santé publique (EHESP). Rennes (França).
Hospitais Universitários de Genebra (HUG). Genebra, Suíça.
Instituto de Saúde Pública, Universidade de Veracruz. Veracruz, México.
Instituto de Ciência e Tecnologia de Luxemburgo (LIST). Luxemburgo.
Réseau Santé Région Lausanne (Suíça).
Universidad Autónoma Metropolitana (México)
Universidade Jean Moulin Lyon 3 – IAE Lyon (França).

Programa provisório:

Taxa de inscrição:

A participação na CALASS 2022 é restrita aos membros da ALASS.
Para se registrar na ALASS, consulte https://www.alass.org/pt/miembros-de-alass/inscripcion/.
As taxas da CALASS 2022 para os membros da ALASS são as seguintes:

Informações turísticas sobre Barcelona e sua região:

https://ajuntament.barcelona.cat/turisme
http://act.gencat.cat
https://www.catalunya.com/

12 abril, 2022